Connect@ADP

Partnering with a more human resource

3 mitos sobre o uso de dados em RH

Publicado Por: ADP LATAM on 23 Abril 2019 in Inovação e Tecnologia, Tendência em RH

Nos últimos anos o RH tem se reinventado para atender – e se adaptar – às novas demandas. Isso porque, a transformação digital impacta empresas de todos os portes e setores, modificando a maneira de trabalhar.

Hoje, por meio de tecnologias como o big data e a análise de dados, é possível medir estatisticamente quais profissionais possuem o melhor perfil para tocar um projeto. Ou, ainda, avaliar a possibilidade efetiva de redução de custos.

Porém, alguns mitos ainda rondam a área de recursos humanos quando falamos no uso de dados de forma estratégica. O assunto foi debatido durante o South by Southwest (SXSW), em março deste ano.

Jack Berkowitz, vice-presidente sênior de desenvolvimento de produtos da ADP, e Marc Rind, cientista-chefe de dados da ADP e vice-presidente de desenvolvimento de produtos, mostraram três deles:

 

  1. Dados de RH não são muito úteis

O mais importante em uma empresa é o capital humano. Informações referentes à folha de pagamento, por exemplo, podem gerar insights interessantes.

Isso porque o RH consegue mais do que respostas para questões como: “Qual a taxa de rotatividade da empresa?’ ou “Quantos funcionários possui?”. É possível entender o comportamento dos colaboradores, o padrão de deslocamentos de vendedores e, até, recrutar com mais assertividade.

 

  1. Os dados de RH devem ser controlados pela área, pois os gerentes não os usam corretamente

Tradicionalmente, o RH analisa e interpreta os dados antes de passá-los aos líderes das demais áreas. Porém, as informações podem chegar muito tarde.

O trabalho deve ser conjunto. Todos devem saber o que está acontecendo na companhia para conseguir tomar decisões de forma mais rápida e com mais embasamento.

 

  1. Os robôs vão roubar o trabalho das pessoas

Pelo contrário. As máquinas estão chegando para ajudar os profissionais a trabalhar melhor. Ao colocar um robô para preencher formulários, por exemplo, sobra mais tempo para tocar questões estratégicas – trabalho que não pode ser feito por nenhum software.

 

Tratamento dos dados:

Um ponto que deve ser muito discutido na companhia é a forma como os dados são tratados. Se não forem administrados com cuidado podem ser mal utilizados, gerando custos.

Questões como privacidade e segurança são as mais importantes e não devem ser colocadas em segundo plano. E não importa se estamos falando de uma empresa que processa dados de 30 mil de pessoas ou de 100.

  

TAGS: dados estratégia RH

Publique uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *