Connect@ADP

Partnering with a more human resource

4 passos para melhorar a experiência com a terceirização

Publicado Por: lcivita on 9 March 2017 in Gestão do Capital Humano, Non classé

Compartilhe Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Facebook

Em âmbito mundial, o cenário é bastante favorável para a terceirização do RH. Uma Pesquisa do último ano da Deloitte, por exemplo, apontou que 78% das empresas entrevistadas que adotaram alguma estratégia de terceirização na área consideram que seus parceiros responderam ou superaram suas expectativas com os serviços oferecidos.

Como melhorar a experiência?

Tomo o mesmo estudo para outro exemplo. Segundo a Deloitte, com novos valores surgindo nas empresas, “o mercado de outsourcing em RH está em franca expansão, com perspectiva de crescimento de 8,5% ao ano até 2019, injetando 100 bilhões de dólares à receita de seus desenvolvedores”. A pesquisa reforça ainda o bom momento desse mercado: 57% dos entrevistados terceirizaram seu RH e 9% deles garantiram que essa decisão foi baseada na qualidade substancial de suas provedoras.

Com base nesses números – que comprovam os benefícios da iniciativa – apresento alguns passos essenciais para orientar aquelas empresas que estão colocando na pauta de discussão essa importante estratégia.

1. O que a empresa ganha com a terceirização do RH?

As companhias precisam olhar o outsourcing muito além da redução de custos. Digo isso porque o processo inclui diversas vantagens às equipes de RH, como otimização de tempo, processos padronizados e automatizados, garantia de compliance, mais agilidade e um serviço totalmente alinhado às suas estratégias e modelo de negócios.

2. Encontre o parceiro ideal

E entre os desafios de compreender quais são as necessidades da empresa – seus pontos de atenção, quais funções do RH terceirizar, etc -, também é preciso garantir assertividade na escolha do parceiro. Para a Deloitte, três quesitos devem ser prioridade nessa avaliação: performance, se essa empresa gerará valor aos negócios e, também, desenhar qual seria o melhor modelo de service delivery em RH.

3. RH global: é necessário?

Um dos fatores que podem auxiliar – e muito! – as companhias a selecionarem seus parceiros é a oferta de uma solução com abrangência global. Para corporações que têm presença em diferentes países, não possuem um departamento de RH unificado e querem garantir compliance em todas suas operações entre fronteiras, esse é um diferencial primordial.

4. Qual a melhor forma de trabalhar junto ao parceiro?

Ainda de acordo com a Deloitte, o modelo de “terceirizar tudo” é coisa do passado. Atualmente, existem diferentes maneiras de se trabalhar com um parceiro para uma efetiva terceirização do RH. As companhias estão cada vez mais seletivas e, uma vez cientes de suas reais necessidades, também podem optar por um modelo in-house e desenvolver capabilidades internas, em paralelo com a terceirização de algumas atividades.

Portanto, de acordo esses pontos, é determinante que as empresas, além de se planejarem, também façam uma análise detalhada do mercado para encontrar o parceiro ideal para suportar seus projetos de outsourcing. A boa notícia é que o mercado está aberto para absorver essas demandas e conta com desenvolvedoras especializadas, com portfólios diferenciados, e que estão prontas para entregar real valor aos seus clientes.

E a sua empresa, já pensou em revolucionar a administração de seu RH?

(Visited 68 times, 1 visits today)
Compartilhe Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Facebook

TAGS: outsourcing

Publique uma resposta

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

Defina suas preferências de cookies