Connect@ADP

Partnering with a more human resource

BI, IA, Big Data, IoT: o seu time precisa dessas tecnologias?

Publicado Por: ADP LATAM on 5 agosto 2019 in Folha de Pagamento, Tendência em RH

Segundo a consultoria Gartner, 23% das organizações que trabalham com inteligência artificial estão utilizando a inovação em seus setores de RH.

 

Isso leva as companhias a pensarem que esse é o melhor caminho (ou o único) para se tornar mais competitiva no mercado.

 

Mas será que o seu RH precisa dessas novas tecnologias?

 

Antes de responder a essa pergunta, há outras quatro que precisam ser feitas:

 

  1. Como seus processos são realizados hoje?
  2. Quais são os resultados?
  3. Como poderiam ser melhores?
  4. Como chegar a esse(s) objetivo(s)?

 

Se depois de se fazer essas questões, você avaliar – quali e quantitativamente – que a tecnologia é o melhor caminho, vale o investimento.

 

Mas, para isso, é importante conhecer cada uma delas e no que se aplicam no departamento de recursos humanos.

 

Business Inteligence

 

A definição surgiu na década de 90 e está associada ao cérebro humano.

 

Isso porque, assim como o cérebro, o BI coleta, organiza, analisa, compartilha e monitora uma série de informações.

 

Os dados coletados são analisados para tomadas de decisão, gestão e avaliação de mudanças.

 

Para o RH, o BI pode ser muito útil em todos os processos de gestão, especialmente no recrutamento e seleção.

 

Em um primeiro momento, ele pode ser usado para que o gestor aumente seus conhecimentos sobre a empresa e possa criar o perfil ideal para determinada vaga.

 

Depois, o Business Inteligence contribui para otimizar o conhecimento sobre candidatos, tanto quanto ao perfil técnico quanto comportamental.

 

A favor: Vale lembrar que, de acordo com levantamento da Page Personnel, 9 em cada 10 colaboradores são contratados pelo perfil técnico e demitidos pelo comportamental.

 

Contra: Além do custo, é preciso uma análise precisa, pois os dados coletados podem conter erros.

 

 

Big Data

 

Nada mais é que um termo para descrever o grande volume de dados. E como usar no RH?

 

Um exemplo prático – e de total importância – são as iniciativas para se tornar referência em marca empregadora.

 

Ao contratar um cientista de dados, por exemplo, a empresa e o RH podem analisar sentimentos em entrevistas, pesquisas e rede social para verificar em que posição está a marca como empregadora.

 

A favor: Estudo da Risesmart diz que 84% dos funcionários considerariam pedir demissão para ir para uma empresa com marca empregadora forte, mesmo que o aumento salarial não fosse tão representativo.

 

Contra:

De acordo com a TechAmerica, o Big Data exige tecnologias avançadas para captura, armazenamento, distribuição, gerenciamento e análise.

 

Além disso, o custo para manter o armazenamento de grande volume de dados pode ser alto.

 

 

IoT

 

A Internet das Coisa (Internet of Things), que representa dispositivos conectados pela internet, está chegando à gestão de pessoas.

 

Ela pode ser aplicada em leitores biométricos que, além de registrarem o ponto, podem identificar emoções.

 

Outro uso é em crachás inteligentes, que permitam a leitura corporal e possam direcionar decisões, como o investimento em espaços de convívio, por exemplo.

 

A favor: De acordo com a consultoria Gartner, até 2020 deve haver mais de 26 bilhões de dispositivos baseados em IoT em todo mundo, com projeção de 50 milhões.

 

Contra: Iniciativas de IoT estão sujeitas a políticas de privacidade e aceite dos envolvidos.

 

 

 

 

Inteligência artificial

 

Por fim, a inteligência das máquinas pode ser útil ao RH para reduzir tempo e favorecer a interação com os colaboradores.

 

Assistentes virtuais, como os chatbots, podem ser treinados para responder a dúvidas dos funcionários, por exemplo, e ir aumentando o banco de respostas com IA.

 

A favor: A inteligência artificial traz inovação aos processos e chama a atenção do mercado.

 

Contra: é preciso avaliar se é a melhor alternativa para o público, além de investir constantemente no monitoramento e aprimoramento de tecnologias baseadas em IA.

 

TAGS: BI Big data inteligência artificial Iot novas tecnologias RH

Publique uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *