Connect@ADP

Partnering with a more human resource

Como se tornar uma marca empregadora forte

Publicado Por: ADP LATAM on 19 julho 2019 in Tendência em RH, Webinar

Segundo pesquisa da consultoria Michael Page, realizada com mais de 4.500 candidatos, três fatores são decisivos para aceitar um emprego:

  • As funções que serão desempenhadas;
  • A remuneração;
  • E a reputação da empresa.

 

Quanto a este último quesito, a Page Talent é ainda mais específica.

 

A consultoria aponta que 55% das pessoas consideram a marca antes de buscar uma oportunidade de trabalho.

 

Soma-se a isso o fato de que, cada vez mais, os talentos procuram não só empresas sólidas, mas companhias que estão abertas a oferecer novas formas de pagamento, segundo pesquisa da ADP que será revelada em webinar no dia 30/07, às 15h (informações aqui).

 

Então, qual é a estratégia ideal para atrair talentos e se tornar uma marca empregadora forte?

 

 

Do início

 

Segundo o norte-americano Robert Norris, vice-presidente de Business Development da TMP Worldwide que esteve no Brasil recentemente em evento do Grupo Gestão RH, antes de tudo é preciso entender que uma marca é a soma das qualidades associadas à empresa.

 

Assim, o primeiro passo é as companhias entenderem como querem ser conhecidas e vistas, também interna quanto externamente.

 

Uma análise dos pontos fortes, necessidades de melhoria, cultura e valores se torna essencial nesse sentido.

 

Para isso, vale dedicar atenção a conhecer a opinião dos colaboradores, parceiros, clientes e prospects sobre a sua marca, preparado para ouvir elogios e reclamações.

 

Olhar a concorrência, com vistas ao benchmarketing, é outro recurso que deve ser explorado.

 

Isso tendo em mente que o ponto crucial para se tornar uma marca empregadora forte é a coerência em relação ao que a empresa é, diz e faz.

 

 

Novas gerações

 

Na construção da marca empregadora, olhar a nova geração do trabalho é fundamental.

 

Como exemplo, 64% dos entrevistados para o estudo sobre millennials da Intelligence Group afirmam que preferem ganhar menos em um emprego que amam a ganhar o dobro em um trabalho chato, que não gostam.

 

Ou seja, a máxima de anos atrás de que basta oferecer um ótimo salário para manter os talentos não se aplica no mundo atual.

 

Importante também é as empresas equilibrarem as preferências de todas as gerações que trabalham para a marca, apoiadas em suas culturas e valores.

 

Um exemplo positivo é deixar clara as políticas de remuneração, home office, horário, férias e recessos, por exemplo, já na contratação.

 

 

Benefícios

 

Trilhar o caminho para se tornar uma marca empregadora forte não é fácil, mas os ganhos compensam o esforço.

 

Para Norris, um dos maiores incentivos é que companhias com uma marca empregadora forte conseguem atrair cerca de 3,5 vezes mais candidatos qualificados.

 

Por outro lado, o turnover costuma ser baixo, também diminuindo custos, inclusive de tempo, com contratações e demissões.

 

Além disso, pessoas felizes se tornam 12% mais produtivas, tornando a empresa com esses colaboradores 20% superiores à concorrência, segundo o especialista.

 

Isso deixa claro que ser uma marca empregadora forte deixou de ser opção para as empresas que querem se destacar em seus mercados de atuação.

TAGS: adp employer branding marca empregadora turnover

Publique uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *