Connect@ADP

Partnering with a more human resource

Como andam os relacionamentos em seu ambiente de trabalho?

Publicado Por: ADP LATAM on 1 dezembro 2017 in Gestão do Capital Humano, Tendência em RH

“Quando os discursos se convergem, os funcionários se identificam com a empresa e o diálogo flui mais facilmente”

O local de trabalho é o ambiente onde as pessoas passam a maior parte do seu dia. O relacionamento entre empregadores e empregados precisa sempre ser baseado na lealdade e na segurança. Em uma relação como essa, a franqueza precisa sempre permear o diálogo.

Dados da pesquisa Evolution of Work 2.0, realizada pela ADP, apontam que apesar de percepções de que a lealdade corporativa tem sido ignorada com o passar das últimas décadas, ela é de fato uma das emoções mais fortes que os colaboradores sentem.

Esta relação, porém, precisa levar em conta alguns pontos. Um deles é que isto não impede que os funcionários busquem novas possibilidades de empregos.

O que é lealdade no trabalho?

Este tema foi colocado em pauta durante o II Summit da ADP, realizado em novembro no auditório LinkedIn, e reuniu executivos de grandes empresas para discutir a pesquisa. De acordo com Antonio Salvador, vice-presidente de Recursos Humanos e Gestão do Grupo Pão de Açúcar, os empregadores precisam saber que as pautas pessoais dos funcionários contam muito.

“Nós temos lealdade às nossas famílias e filhos. Já para ter lealdade no ambiente de trabalho a relação precisa ser correta, ética e equilibrada”.

Ainda segundo o executivo, é necessário ter coerência entre o que é dito e o que é praticado.

“Os empregadores precisam ser muito claros para que os empregados possam entender a proposta da empresa e avaliar se há conexão no que foi estabelecido”, completou.

Empresas devem encontrar discursos genuínos

Atualmente, está muito em voga as empresas realizarem campanhas e ações com temas voltados para diversidade e inclusão. Porém, nada disso impactará os funcionários se não for genuíno. Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil, também esteve presente no evento e destacou a importância dos líderes serem autênticos.

“Não adianta nada colocar as missões e valores da empresa na parede se eles não forem praticados no dia a dia”, ressaltou.

Os funcionários estão em busca de líderes com emoção e que consigam demonstrar genuinamente os seus anseios e as suas direções. Na SAP, por exemplo, a diversidade é uma pauta relevante, mas Cristina reforça que se a equipe não acreditasse na importância do debate, isto já teria caído por terra.

“Se os líderes não colocam o coração no que falam, os funcionários percebem isso de maneira muito rápida”, completou.

Discursos convergentes

Quando os discursos se convergem, os funcionários se identificam com a empresa e o diálogo flui mais facilmente com seus líderes. Isso impacta não só no cotidiano, mas também em projetos futuros, já que desta forma até o acompanhamento de carreira fica mais claro.

Imagem: Pixabay

Publique uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *